quinta-feira , 20 julho 2017
Home / Premier League / City cai diante do Liverpool em Anfield

City cai diante do Liverpool em Anfield

JS58113187

O Manchester City acabou sofrendo, na manhã deste domingo, seu segundo revés em menos de sete dias. Se a primeira derrota deixaram bem complicadas as chances de classificação na Champions League. O placar adverso diante do Liverpool, também 2-1, deixa o Chelsea em situação bastante folgada na briga pelo título da Premier. A diferença se mantém em cinco pontos, mas os londrinos têm um jogo a menos, uma vez que não atuaram essa rodada por causa da final da Capital One Cup.

Sabemos que a partida em Anfield é extremamente complicada, e o City arrasta um tabu sem vitórias que vem desde 2003, mas mesmo com estes fatores e os problemas encontrados pela formação ofensiva diante do Barcelona, Manuel Pellegrini não se sentiu acuado para mudar o esquema e ser mais conservador. Novamente veio com um 4-4-2, com o reforço de Yaya, trazendo de volta Fernandinho ao time titular, e mantendo Dzeko como companheiro de Aguero no ataque. Além disso, promoveu Mangala e Kolarov no lugar de Demichelis e Clichy, respectivamente.

O ponto positivo que deveríamos aproveitar era o fato de que o Liverpool jogou na quinta feira pela Europa League, dois dias depois do City, e enfrentou uma partida duríssima, que acabou indo para a prorrogação e pênaltis. Apesar de ter atuado com um time misto contra o Besiktas, inevitavelmente alguns jogadores estariam mais cansados hoje.

Desde o começo ficou claro que a proposta dos donos da casa não seria ficar com a bola, mas sim marcar sob pressão a saída de jogo do City, e assim aproveitar a velocidade diante de uma defesa mal arrumada, e não demoraram a abrir o placar. Aos 9 minutos, Lallana fez um bonito gol, dominando cruzamento a meia altura e fuzilando sem deixar a bola caindo no chão, o que por sorte estava impedido, mas foi um susto que se materializou no minuto seguinte, quando Kompany, após partida terrível diante do Barcelona, perdeu a bola para Philippe Coutinho, que passou para Sterling, que mandou para Henderson, o inglês cortou Fernandinho e acertou um belo chute no ângulo, de fora da área.

A estratégia de Brendan Rodgers parecia surtir efeito, os Citizens continuavam com muitos problemas no seu lado direito, devido à fraca de atuação de Zabaleta e Kompany, e ali se fazia o principal vetor de ataque da equipe vermelha.

O City tentou responder logo depois, quando Aguero apostou corrida contra a defesa e chutou na saída de Mignolet, mas a bola acabou pegando caprichosamente na trave, não entrando por pouco. O argentino estava inspirado hoje, e foi, de longe, a melhor peça do time na partida.  Até tomar o gol, o City se mostrava um time nervoso em campo, a semelhança da partida de terça, inseguro, pecando justamente naquilo que o Liverpool queria: a saída de bola. Tinha até mais posse, mas acabava vendo os rivais serem mais objetivos, criando melhores chances com a aposta na velocidade.JS58114101

Após sair atrás no placar, a equipe reagiu mais, e passou a controlar o jogo, levando-o inteiramente para seu campo de ataque. Aos 25 minutos acabamos premiados pela melhora, quando Silva tocou para a Aguero, e este carregou a bola para o meio, achando magistralmente Dzeko no meio da zaga vermelha, o bósnio recebeu livre de marcação e tocou na saída do goleiro dos Reds. Era o empate do City.

Após o gol, o City optou por esfriar a partida, e desmantelar a estratégia do Liverpool, que, talvez devido ao cansaço, acabou por diminuir seu ritmo também, e as chances rarearam. Apenas no finalzinho do primeiro tempo, o Liverpool tentou novamente acelerar o jogo, mas este acabou indo empatado para o intervalo.

O segundo tempo veio com o City continuando a ter um protagonismo na partida, fazendo um jogo ao seu estilo, com muitos toques de bola em busca de infiltração na defesa adversária. Logo na saída conseguimos uma boa chance, quando Zabaleta cruzou para Aguero, que cabeceou para fora. Uma grande mudança se deu com a melhora na defesa, Zabaleta e Kompany, que tinham feito uma primeira etapa terrível, melhoraram muito e passaram a ganhar todas as disputas, e Mangala também estava em um bom nível, ou seja, o jogo do Liverpool começou a não fazer muito efeito.

Pellegrini optou por mudar o esquema tático e reforçar o meio logo no começo da segunda etapa, tirando Dzeko para a entrada de Milner. A partida continuou mais amarrada, com poucas chances incisivas dos dois lados. O City claramente teve a oportunidade de se colocar em vantagem no placar, pois estava melhor no jogo e o Liverpool se poupava, mas não traduziu seu domínio em grandes chances, com o adendo que Yaya, que foi bem no período anterior, acabou caindo muito de rendimento, o que atrapalhou bastante a criação.

A partir de um momento, os jogadores dos Reds ganharam um fôlego e engataram marcha mais uma vez, e bastou isso, um único momento, para conseguirem seu segundo gol. Aos 75 minutos, Coutinho recebeu, limpou Nasri e Zabaleta, que não fizeram muito mais do que olhar e dar todo espaço para ele construir a finalização, e chutou bonito quase na entrada esquerda da área:  bola no canto e indefensável para Hart.

O gol novamente serviu para o City acordar, e pouco depois Aguero perdeu uma chance daquelas que ele não costuma perder, ao costurar como quis na defesa e mandar por milímetros para fora. Pellegrini colocou Bony no lugar de Fernandinho, mas o marfinense pouco fez, e Lampard no lugar de Nasri, este último, tendo uma atuação muito fraca. Ainda tivemos uma boa chance com Silva, após passe de Yaya, mas o espanhol também finalizou para fora.

JS58118906

Uma sequência de jogos que parecia ser promissora após a goleada sobre o Newcastle na semana passada, acabou melancólica para os torcedores e o clube após duas derrotas que nos deixam mais distantes dos nossos dois últimos objetivos de título na temporada. Terrível jornada para Kompany, que não deixa de ser um defensor excepcional, mas acabou tornando-se vilão e decisivo inversamente. Mas ainda mais terrível para Pellegrini, muito criticado por suas escolhas táticas que beiram a teimosia, falta de senso da realidade, loucura, ou outros adjetivos mais, diante de adversários difíceis. Ele sabe ser ofensivo, sabe fazer o time jogar bonito, mas quando se demanda conservadorismo, acaba pecando por insistir no mesmo tipo de esquema. O chileno precisa repensar sua visão de futebol, sob a pena de sempre nos jogar no abismo contra outras equipes grandes.

A próxima partida já é na próxima quarta, diante do lanterna Leicester, no Etihad Stadium.

Sobre João Hugo

Em 29 de dezembro de 2007, fundei o Man City Brazil com o Leonardo e o Fernando. Em 23 de fevereiro de 2017, 10 anos depois, nos tornamos a 1º torcida oficial do Manchester City na América Latina: The Citizens Brasil. O resto é estória pra boi dormir...

Veja mais

City fica duas vezes à frente do placar, mas deixa vitória escapar mais uma vez

  Com uma escalação incomum, City foi para o Emirates Stadium com a missão de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *