domingo , 17 dezembro 2017
Home / Premier League / Retrospectiva 2011/12 – # 9

Retrospectiva 2011/12 – # 9

MARÇO
Jogos
03/03 – Manchester City 2 X 0 Bolton – Na partida contra o penúltimo colocado na classificação, válido pela 27ª rodada, Mancini se deu ao luxo de colocar as estrelas David Silva e Aguero no banco, mas nem por isso deixamos de conseguir os três pontos.
Começamos o jogo com tudo, perdendo boas chances com Nasri e Balotelli, e já assustando os visitantes de inicio, dando mostras que o gol não demoraria a sair, e assim o foi, logo aos 22 minutos com Clichy, que chutou e contou com o desvio em Steisson. Abrir o placar não diminuiu a gana do City, que continuou tendo grandes chances de ampliar, especialmente com os irmãos Touré e Balotelli, consagrando o goleiro Bogdán com boas defesas. As melhores chances dos visitantes saiam dos pés do jovem Ryo Miachi, mas o placar manteve-se na vantagem mínima.
O segundo tempo continuou igual, com grandes chances para o City logo no inicio. Quase fizemos 2 x 0 quando Pratley mandou contra seu próprio gol, mas a bola bateu no travessão, só que aos 69 não teve jeito, Adam Johnson fez bela jogada que terminou na conclusão de Balotelli, fechando o placar da vitória tranqüila que nos manteve na liderança.
08/03 – Sporting Lisboa 1 x 0 Manchester City – As oitavas de final da Europa League nos colocou no caminho mais portugueses, aparentemente até mais tranqüilos que os anteriores, mas só no papel, os duelos contra o Sporting foram bem mais duros que contra o Porto, e começamos levando desvantagem para a volta.
O primeiro tempo se mostrou equilibrado, pois não jogamos bem, o que compensou nossa superioridade técnica, houve algumas chances para os dois lados com João Pereira, Kolo Touré e Barry, mas o placar não saiu do zero. O segundo teve o único gol do jogo logo aos cinco minutos, o zagueiro brasileiro Xandão precisou de duas chances para fazer, de calcanhar, um gol importantíssimo para o time de Alvalade. Após isto, o City tentou correr contra o prejuízo, mas sem ser muito efetivo, a melhor chance foi de Balotelli, que cabeceou no travessão aos 41 minutos. Placar mantido, resultado adverso levado para Manchester.
11/03 – Swansea 1 x 0 Manchester City – A derrota no meio de semana não foi tão sentida como esta, a fatídica partida em que perdemos a liderança, ao qual só viríamos a recuperar no derby, oito rodadas depois.
O Swansea fez uma boa Premier League, com um time arrumado, apresentando bom futebol e sendo forte principalmente em casa,  sentimos isto na pele… As coisas pareciam se complicar logo no inicio, aos 5 minutos Lee Mason marcou pênalti de Hart em Routledge, mas a muralha se recuperou ao defender o que seria o primeiro gol dos galeses. Com uma defesa forte, o time da casa conseguia impedir que o City conseguisse bons ataques, com um primeiro tempo sem boas chances. Na tentativa de mudar o panorama, Mancini colocou Aguero já aos 37 minutos.
No segundo tempo apresentamos um futebol melhor, e passamos a ter mais chances, controlando a partida. Aos 83, porém, Luke Moore cabeceou para marcar o gol da vitória dos Swans. Os minutos seguintes foram de desespero, cientes do prejuízo que a derrota causaria, a equipe tentou de todas as formas empatar, e chegou a conseguir, mas o gol de Richards foi anulado.
15/03 – Manchester City 3 x 2 Sporting Lisboa – Vitória dramática, virada espetacular, mas não suficiente para nos levar as quartas da Europa League. Depois de tomar um susto na primeira etapa, levando dois gols, conseguimos reagir, mas a vitória necessária era de dois de diferença.
Errando muitos passes, o City permitiu algo atípico de se ver no Etihad: espaços para o time visitante assustar bastante, mesmo assim conseguimos boas chances com Johnson e Balotelli. Os portugueses se mostraram eficientes: aos 31, Fernandez bateu falta com categoria e abriu o placar, oito minutos depois Wolfswinckel fez o segundo. Fomos para os vestiários precisando marcar quatro gols na segunda etapa, fizemos três.
Ao contrário dos que imaginavam um time abatido e entregue no resto do jogo, viu uma mudança de postura, com os jogadores acreditando na vitória, e ela veio. Foram 45 minutos de ataque contra defesa, com os portugueses tentando manter a classificação. Aos 59, Aguero marcou o primeiro, aos 72, pênalti de Renato Neto no argentino, Balotelli empatou, aos 81, Aguero pegou a sobra de cabeçada de Balotelli e fez o terceiro. A partir daí foi uma correria, só mais um tento consagraria a ida a próxima fase, no último lance do jogo Hart foi para a área e cabeceou uma bola que quase o transformou em herói, pena que ficou no quase mesmo…
21/03 – Manchester City 2 x 1 Chelsea – A maré não era nada boa, perda da liderança e eliminação na Liga Europa, e o City teve logo que pegar o Chelsea em um jogo de vida ou morte, onde vencer era mais que obrigação.
Por toda a pressão em que o time estava envolvido, e buscando retornar a boa fase, o City partiu para cima dos Blues, que não sentiram vergonha em recuar e apostar nos contra-ataques, mas fomos pouco efetivos em chances reais. A melhor da primeira etapa foi de Balotelli, que chegou a frente de Cech, mas chutou em cima do goleiro.
Para a segunda parte, Mancini tirou o compatriota para colocar Barry, e assim liberar Yaya para o jogo, e o domínio continuou. Mas o desespero se tornou real aos 60 minutos, em um escanteio David Luiz dividiu bola com Barry, um lance que poderia ser dada falta, passando para Cahill mandar para o gol, a bola ainda desviou em Yaya antes de entrar.
A derrota injusta era um pesadelo, que ceifava qualquer motivação para o título. Como forma de reagir, Mancini mandou Tevez para o jogo, era a primeira partida depois da volta, e os rumos começaram a mudar, aos 76, em cobrança de escanteio, Zabaleta chutou, batendo na mão de Essien, por milagre o pênalti foi marcado. Cobrança de Kun, e o empate veio.
Aos 86, mais um lance épico que seria fundamental para a glória de meses depois, Tevez tabelou com Nasri e deu assistência para o francês tocar na saída de Cech, coroação do melhor jogador da partida, do contestado argentino também, e seguimos vivos.
24/03 – Stoke City 1 x 1 Manchester City – Mais um jogo fundamental para as pretensões da equipe, e novamente uma pedreira. O City teve que visitar o Stoke no Britannia, onde raros se safam, e fomos mais um para a estatística, tivemos que nos contentar com um suado ponto.
Em geral, o primeiro tempo foi bom, fomos mais efetivos em jogadas de ataque, com Dzeko desperdiçando algumas chances, como uma cabeçada para fora aos 2 minutos. Mas foram os Potters que desperdiçaram a mais clara de todas, com Zabaleta tirando uma bola em cima da linha.
Na segunda etapa, mesmo cenário, City tentando furar o bloqueio, Stoke tentando contra atacar, e abusando da violência, mas que deu certo. Aos 58, Crouch arriscou de fora da área a marcou um golaço, que sabemos bem que nunca havia acontecido e jamais acontecerá novamente, para provar a fase ruim que estávamos. Após isso a pressão foi incessante, aos 75 funcionou, Yaya chutou, bateu na defesa e enganou Begovic.
Após o empate, ciente dos objetivos, nossa equipe tentou virar com chances constantes, mas estas foram desperdiçadas, e o Stoke conseguiu se segurar.
31/03 – Manchester City 3 x 3 Sunderland – Para encerrar o complicado mês, em que pouco se teve a comemorar, com chave de lata, o mais inexplicável, inacreditável, decepcionante resultado da temporada. Não, não perdemos de goleada, nem os Black Cats são a pior equipe do mundo, mas vacilamos quando não se podia, e logo na até então intransponível fortaleza do Etihad. Naquele momento muitos desacreditaram…
Poderia ter sido pior, ao contrário dos visitantes habituais, o time listrado não foi um gatinho covarde, retrancado, esperando o pior. Não tiveram medo do nosso retrospecto e atacaram sem medo, com objetividade, coisa que não esperávamos, sendo recompensados por isso.
No final da primeira etapa já estávamos em desvantagem, com Larsson marcando aos 30, e Bendtner, nos acréscimos. Antes disto Balotelli, em pênalti sofrido por Dzeko havia deixado tudo igual, mas não adiantou.
Vantagem assegurada, hora de se resguardar… Nada disto, o Sunderland continuou com a mesma filosofia, e conseguiu fazer o terceiro, já na segunda etapa, aos 54, com Larsson novamente. O desastre estava feito, mas pelo menos depois disto mostramos poder de reação, aos 85, Balotelli diminuiu, apenas um minuto depois Kolarov empatou. Os Blues ainda tentaram uma corrida tresloucada por uma incrível virada, em vão. Desastre diminuído, mas não evitado, era o pior momento do time na temporada.
Aconteceu…
*Depois de tantas reviravoltas, Mancini aceitou as desculpas de Tevez, e o argentino mais uma vez não teve como encerrada sua passagem por aqui, durando, em paz ao que parece, até agora. E sua volta foi no jogo difícil contra o Chelsea, sem negar o espírito decisivo, que nos faz esquecer em poucos minutos suas inúmeras bobagem, deu uma bela assistência para o importante gol da virada.
*Mário Balotelli foi entrevistado por, ninguém mais, ninguém menos, que Noel Gallagher, o mais famoso torcedor do City, junto com o irmão, e lenda da música. Na ocasião, o músico, que trabalha para a BBC, não fugiu das perguntas polêmicas ao atacante.
Acesses nossas redes sociais:

http://facebook.com/ManchesterCityBrasil
http://twitter.com/ManCityBrazil
Contato: joaohugo@manchestercity.com.br

Sobre João Hugo

Em 29 de dezembro de 2007, fundei o Man City Brazil com o Leonardo e o Fernando. Em 23 de fevereiro de 2017, 10 anos depois, nos tornamos a 1º torcida oficial do Manchester City na América Latina: The Citizens Brasil. O resto é estória pra boi dormir...

Veja mais

PRÉ JOGO MANCHESTER CITY X WEST HAM – PL – 03/12

Nesse domingo (3) Manchester City e West Ham se enfrentam no Etihad Stadium, pela 15ª …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *